Translate

sábado, 5 de janeiro de 2013

Sintomas Noturnos do Refluxo Gastroesofágico


A Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) é uma afecção crônica decorrente do refluxo de parte do conteúdo gastroduodenal para o esôfago e/ou órgãos adjacentes a ele.
É uma doença com alta prevalência em todo o mundo e caracteriza-se, do ponto de vista clínico, pela presença de pirose (azia, queimação retroesternal) e regurgitação. Vale lembrar que pacientes com DRGE podem apresentar, além dos sintomas típicos, outros sintomas adicionais ou mesmo isolados associados ao refluxo, como dor torácica não cardíaca, disfagia (dificuldade de deglutição), rouquidão, pigarros faríngeos, tosse crônica, apnéia do sono, entre outros. Aproximadamente 78% dos pacientes com rouquidão e 80% dos pacientes com asma têm sintomas que podem estar associados à DRGE.



O Refluxo gastroesofágico noturno está associado às formas mais graves da DRGE, como as esofagites (inflamação da mucosa esofágica), estenose (estreitamento do esôfago devido à inflamação recorrente pelo ácido), esôfago de Barrett e adenocarcinoma esofágico.
A pirose durante o sono e distúrbios do sono são manifestações comuns da DRGE noturna e apresentam um importante impacto na qualidade de vida dos pacientes.

Estudo realizado por Kindt e cols. (2011) avaliou a prevalência da pirose e sua associação com distúrbios do sono, demonstrando que 84% dos 9.322 pacientes atendidos referiam distúrbios do sono devido ao refluxo ácido noturno. Eis os resultados:

  • 47% Refluxo ao acordar pela manhã
  • 45% Acordam durante a noite com sintomas
  • 39% Dificuldade para dormir
  • 35% Cansaço matinal
  • 30%, 35% e 12%  pirose noturna leve, moderada e intensa, respectivamente. 
Além da pirose, os pacientes podem referir refluxo de comida para a boca e, por vezes, engasgo noturno (despertam assustados à noite com repentino engasgo causado pela presença de conteúdo gástrico à boca).

Este quadro frequentemente vem acompanhado de uma sensação de sufocamento e falta de ar, fazendo os pacientes dormirem com vários travesseiros ou quase sentados na tentativa de aliviar o desconforto noturno.

Há uma complexa relação entre a DRGE e o sono: transtornos do sono podem induzir distúrbios gastrointestinais, enquanto que sintomas gastrointestinais também podem provocar ou piorar alterações do sono. 
Os mecanismos de clareamento esofágico (a deglutição, a salivação e os movimentos peristálticos do esôfago) pioram durante o sono, resultando em um prolongamento de tempo de contato do ácido com a mucosa esofágica. Desta forma, o refluxo noturno pode ocasionar distúrbios do sono e por outro lado, estes  distúrbios podem agravar a DRGE pelo contato prolongado do ácido e pelo aumento da percepção sensorial. Este fato pode facilitar a ocorrência de complicações da DRGE e diminuir a qualidade de vida dos indivíduos acometidos. 

Alguns fatores estão relacionados com maior risco de sintomas noturnos e distúrbios do sono em pacientes com DRGE:
  • TABAGISMO
  • ÁLCOOL
  • ESOFAGITE GRAVE
  • JOVENS
  • OBESIDADE
  • DRGE HÁ MAIS DE 5 ANOS
  • PIROSE E REGURGITAÇÃO DIÁRIA
O tratamento da DRGE visa controlar os sintomas, cicatrizar as lesões e prevenir recidivas/complicações. A grande maioria dos pacientes se beneficia com o tratamento clínico, que deve abranger medidas comportamentais e farmacológicas simultaneamente.

As medidas comportamentais previnem situações e alimentos que promovam ou facilitem o refluxo.
Pacientes com distúrbios do sono decorrente de pirose noturna se beneficiam com as seguintes medidas:
  1. Elevar a cabeceira da cama cerca de 10 a 15 cm
  2. Evitar refeições copiosas à noite
  3. Não se deitar após as refeições, aguardando um período mínimo de 2 horas

Importante: Nunca pratique a automedicação. Casos graves de DRGE são frequentemente mascarados pelo uso a longo prazo de medicações inadequadas, levando a complicações importantes como úlceras, estenose e até mesmo adenocarcinoma esofágico. Procure sempre um médico especialista. 



2 comentários:

  1. Eu tenho essa parada ....e horrível ......o axido queima......e quando me sento percebo que o alimento desce de uma só vez....p estômago de volta.....o medicamento p tratamento e caro....

    ResponderExcluir
  2. As mães quando acabam de amamentar os bebes, deixam ele na posição vertical até o arroto e nós devemos fazer o mesmo, ao nos alimentar de preferência comer pouco fazer a digestão e não beber muita água.
    OBS: Isso só acontece nesses de comer muito "Gula". Marcos

    ResponderExcluir

Esta matéria foi esclarecedora e informativa? Deixe sua opinião!