Translate

domingo, 28 de março de 2010

Gastrite: cuide bem de seu estômago

Qual a diferença entre GASTRITE e DISPEPSIA? 


O termo DISPEPSIA tem origem no grego ( dys: dificuldade, desordem e peptein: digerir ) e significa " indigestão". A dispepsia ou " Síndrome Dispéptica " é caracterizada por dor ou desconforto na parte superior do abdomem e pode incluir eructações (arrotos), empachamento, saciedade precoce, sensação de peso, náuseas e vômitos. Esses sintomas acometem em média 25% da população adulta e podem ser agudos, intermitentes ou persistentes. Entre as várias causas de dispepsia podemos citar intolerância à alimentos ( café, álcool, gorduras, condimentos ), medicamentos ( anti-inflamatórios, antibióticos ), gravidez e doenças ( Gastrites, Diabetes, Tireoidopatias ).

Frequentemente as pessoas confundem os sintomas acima com GASTRITE. Gastrite é uma inflamação do estômago, comprovada através de alterações orgânicas na Endoscopia e no exame histológico (biópsia), doença esta que pode ou não cursar com estes sintomas referidos.



Por que algumas pessoas têm Gastrite e apresentam quadro assintomático?

Gastrite raramente provoca sintomas, todavia, uma infinidade de manifestações são frequentemente atribuídas a ela, como a própria dispepsia. A sensibilidade à dor e ao desconforto causados pela inflamação da mucosa gástrica é muito individual, podendo variar de paciente para paciente e tendo o agravante de que os sintomas são muitas vezes mascarados pela auto-medicação.



De onde vem a expressão "Gastrite Nervosa " e por que ela é errada?

" Gastrite Nervosa " é um termo popularmente usado para associar os sintomas gástricos apresentados após um epsódio emocional adverso . Sabe-se que os fatores emocionais externos como o estresse, a ansiedade e o nervosismo do dia-a-dia levam à alterações da contração gástrica, aumentam a secreção ácida e interferem na sensibilidade do estômago à dor
Portanto, o " nervosismo " faz surgir ou piorar os sintomas decorrentes de uma gastrite, mas não é capaz de provocá-la. Do mesmo modo, os mesmos sintomas dispépticos podem existir sem a gastrite.



O que é uma Gastrite Aguda e Gastrite Crônica, quais suas principais causas e sintomas?

Estes são termos empregados e ainda geram muitas dúvidas e equívocos.
A gastrite é classificada em Aguda ou Crônica de acordo com o tipo de células inflamatórias que infiltram o tecido gástrico, ao exame histológico ( biópsia). Não há conotação evolutiva, cronológica ou temporal.
O que podemos observar é que as Gastrites Agudas são de aparecimento súbito, evolução rápida e facilmente associadas a um agente causador: medicamentos ( aspirina, anti-inflamatórios, antibióticos, corticóides ), alimentos irritantes ( café, condimentados, gordurosos, ácidos ) ou contaminados por germes ( bactérias e vírus ), bebidas alcoólicas e situações de estresse físico ou psíquico ( pacientes com queimaduras corporais extensas, politraumatizados ou com infecções generalizadas).
Já na Gastrite Crônica a bactéria " Helicobacter pylori " habitualmente está presente ( através da ingestão de água e alimentos contaminados ) . Outras causas associadas à gastrite crônica é o refluxo de bile para o estômago e a atrofia ( diminuição ) das células do estômago e baixa produção de ácido.
A Gastrite Crônica é, em geral, silenciosa e na maioria dos casos não apresenta sintomas. Na Gastrite Aguda, quando existem queixas, estas são muito variadas : dor em queimação no abdomem, azia, perda de apetite, fraqueza, tontura, dores de cabeça, náuseas, vômitos e sangramento digestivo ( fezes enegrecidas ou vômitos com sangue ).



Qual a relação entre Gastrite e Úlcera?

A Úlcera Péptica é uma erosão profunda da mucosa do estômago ou intestino, causada pela exposição excessiva ao ácido clorídrico, pela bactéria " H. Pylori " (80-95%) e por anti-inflamatórios. Geralmente está associada à gastrites ( o que já denota uma maior sensibilidade do estômago ) .



Quais as dicas para se prevenir a Gastrite?

- Evitar o excesso de alimentos possivelmente irritantes da mucosa gástrica : café, chá preto e mate, refrigerantes, gorduras e frituras, condimentos fortes, sucos e frutas ácidas, chocolate .
- Evitar bebidas alcoólicas
- Observar quais alimentos não são tolerados e evitá-los
- Evitar o excesso de líquidos às principais refeições
- Evitar alimentos muitos quentes ou gelados
- Não fumar
- Comer devagar
- Fracionar as refeições ( intervalos de 3 em 3 horas )
- Fazer as refeições em local tranquilo e com calma
- Evitar o uso de medicamentos irritativos : anti-inflamatórios, AAS, antibióticos ( devem ser tomados sob prescrição médica)
- Melhoria das condições sanitárias, do tratamento adequado da água de consumo doméstico, da higiene pessoal ( lavar as mãos antes de tocar os alimentos ) e dos cuidados no preparo e na conservação dos alimentos . Todas estas medidas fazem decrescer significativamente as vítimas de infecções alimentares ( gastroenterites e infecções pelo H. pylori )
- Ter hábitos saudáveis de vida : atividades físicas, esporte e lazer.


Leia mais!

" DEZ DICAS para viver em paz com seu estômago "
Acesse: http://saudedigestiva.blogspot.com.br/2012/04/dez-dicas-para-viver-em-paz-com-seu.html

Helicobacter pylori: a bactéria resistente ao meio ácido do estômago

3 comentários:

  1. CONCORDO!MAS O DURO E NÃO PODER SABOREAR A DELICIA QUE E A AMBROSIA!ATE QUANDO?

    ResponderExcluir
  2. Oi Dra. Terry,Primeiramente gostaria de dizer que foi um grande prazer conhece-la. Estou escrevendo para dar uma devolutiva em relação ao blog, muito esclarecedor, bem escrito e de fácil entendimento. Parabéns!! Vou indica-lo para outras pessoas, bem como o seu trabalho. Grande abraço, Giselly Vieira. Psicóloga CRP 06/96864Hospital Nove De Julho- Centro de dor Equipe neuromodulaçao cerebral não invasiva.

    ResponderExcluir
  3. Quais os sintomas que os vermes podem causar no estômago?

    ResponderExcluir

Esta matéria foi esclarecedora e informativa? Deixe sua opinião!