Translate

terça-feira, 10 de julho de 2012

Novo Tratamento para Constipação Intestinal é aprovado pela ANVISA

 

A Prucaloprida é um medicamento indicado para o tratamento sintomático da constipação crônica em mulheres que não obtêm alívio adequado com laxantes. Trata-se de um medicamento agonista serotoninérgico altamente seletivo do receptor 5HT4 intestinal, que apresenta propriedades enterocinéticas, ou seja, estimula a contração coordenada do intestino.

A Prucaloprida já é aprovada em 33 países para o tratamento sintomático da constipação crônica em mulheres refratárias  aos medicamentos usuais.A droga está atualmente disponível na Alemanha, Irlanda, Bélgica, França, Grécia e Reino Unido, e chegará ao mercado brasileiro no segundo semestre de 2012 comercializado pelo laboratório Janssen-Cilag com o nome de RESOLOR.

O medicamento, aprovado pela ANVISA em Maio de 2012, é indicado inicialmente somente para mulheres maiores de 18 anos.

O lançamento da medicação revoluciona o arsenal terapêutico dos gastroenterologistas e coloproctologistas para o tratamento da Constipação Intestinal Crônica, síndrome que atinge cerca de 15% da população e acomete sobretudo mulheres.


 

4 comentários:

  1. obrigado pela explicação.

    ResponderExcluir
  2. Gostei da matéria,pois sofro de Constipação intestinal Crônica e já fui ao médico e nada se resolveu,vou testar este Resolor.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde. Eu uso esse remédio há quase dois anos ininterruptamente, sob orientação e acompanhamento médicos. Realmente, ele é fantástico! Mas nunca li ou ouvi nada referente aos riscos do uso prolongado desse medicamento (se é que existem). Meu médico diz que não há qualquer risco. A Dra. teria alguma informação à respeito?

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde. Eu uso esse remédio há quase dois anos ininterruptamente, sob orientação e acompanhamento médicos. Realmente, ele é fantástico! Mas nunca li ou ouvi nada referente aos riscos do uso prolongado desse medicamento (se é que existem). Meu médico diz que não há qualquer risco. A Dra. teria alguma informação à respeito?

    ResponderExcluir

Esta matéria foi esclarecedora e informativa? Deixe sua opinião!