Translate

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Halitose (mau hálito): origem e tratamento


O que é halitose?
A halitose é uma condição caracterizada pelo hálito de odor desagradável, podendo significar ou não uma alteração patológica. É um sinal indicativo de alguma disfunção orgânica (que requer tratamento) ou fisiológica (que requer apenas orientação).
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 40% da população mundial é acometida de halitose e sofre suas consequêcias sociais, profissionais e psicoafetivas.
As pessoas podem não ter conhecimento do seu próprio hálito, entretanto, podem ser capazes de detectar a halitose em pessoas do seu convívio. Isto acontece pois a percepção de cada um em relação a um determinado odor é alterada através da exposição contínua do odor aos sensores olfativos. Denominamos isto de " fadiga olfativa " e um exemplo clássico é o fato de não sentirmos mais o odor do perfume que usamos habitualmente depois de certo tempo.


O hálito é composto pelo ar expirado após a inspiração que provoca as trocas gasosas fisiológicas, associado às substâncias eliminadas por via pulmonar. Estas substâncias partem do intestino para o fígado, para a bile, para o sangue e finalmente para os pulmões, quando são eliminados pela expiração.

Origem e Classificação

A halitose é classificada de acordo com sua etiologia em:
  • HALITOSE GENUÍNA ( fisiológica ou patológica ) - referida pelo paciente e de fato percebida pelo médico.
  • PSEUDO-HALITOSE
  • HALITOFOBIA
HALITOSE GENUÍNA Fisiológica
A halitose fisiológica matinal relaciona-se a diminuição do fluxo salivar durante o sono: existe um fluxo mínimo de saliva durante o sono. Assim, ocorre putrefação de células epiteliais esfoliadas que permanecem retidas durante esse período ocasionando um odor desagradável, o qual desaparece após a higienização oral pela manhã, restabelecendo o fluxo salivar aos valores normais.
Existe outro tipo de halitose que é a temporária, de origem alimentar. Esta pode ser causada pela ingestão de alimentos com alho, cebola, condimentos e pela ingestão de bebidas alcoólicas. O metabolismo destes alimentos e bebidas produz ácidos e outros compostos que são excretados através dos pulmões.
Vale ressaltar que o jejum prolongado também é uma causa reconhecida de halitose.
HALITOSE GENUÍNA Patológica
ORAL: halitose causada por doença, condições patológicas ou má função de tecidos orais.
Exemplos: xerostomia (boca seca por falta de saliva), doença periodontal, cáries, língua saburrosa.
EXTRA-ORAL: halitose com origem em vias aéreas superior e/ou inferior (sinusites, amigdalites,bronquites, infecções pulmonares), no trato digestivo (gastrite, doença do refluxo gastroesofágico, ulceras pépticas), doenças sistêmicas ( câncer, diabetes, doenças renais e hepáticas).
MEDICAMENTOS: A halitose provocada por medicamentos se deve ao fato de que algumas drogas podem alterar a sensação de gosto e olfato como: sais de lítio, penicilina e tiocarbamida, causando halitose subjetiva, ou ainda podem ser excretadas através do pulmão. Alguns medicamentos antineoplásicos, anti-antialérgicos, anfetaminas, tranqüilizantes, diuréticos e outras drogas provocam diminuição do fluxo salivar ocasionando o mau hálito.
PSEUDO-HALITOSE
É o diagnóstico dado quando o paciente acredita ser portador da condição, mas a avaliação médica não determina halitose.
HALITOFOBIA
Também chamada de halitose psicossomática, quando o paciente persiste com queixa de halitose apesar de ter sido realizado seu tratamento.

Composição química do mau hálito

Atualmente são conhecidas mais de 50 causas para o mau hálito e em mais de 90% dos casos sua origem é bucal.
Na maioria dos casos, o mau hálito se origina na boca em decorrência da putrefação microbiana de componentes do hospedeiro (células descamadas) e resíduos alimentares.
A saliva contém proteínas em grandes quantidades, sendo uma das fontes principais de enxofre.
A saburra lingual é formada pela estagnação de proteínas salivares, restos alimentares e, principalmente, por células descamadas e bactérias aderidas. Este material é então degradado pelas bactérias anaeróbias proteolíticas que, agindo sobre os aminoácidos, originam uma série de compostos voláteis, entre eles, os compostos sulfurosos voláteis (CSV).

Prevenção e Tratamento

A halitose tem causas que devem ser reconhecidas e tratadas. De regra, tratada a causa, desaparece a halitose.

Seja qual for a causa da halitose a higiene bucal é fundamental para o sucesso do tratamento, além da eliminação da sua respectiva causa. É imperativo que além da escovação e do uso do fio dental promova-se a periódica limpeza da língua após as refeições e ao deitar, evitando o acúmulo de bactérias. Consultas odontológicas são importantes, principalmente quando o paciente for portador de várias restaurações, próteses fixas ou adesivas, pois as mesmas podem estar com áreas que retenham restos alimentares.

Evite o mau hálito:



- use o fio dental e faça uma boa escovação dentária, limpando também a língua, após qualquer refeição;

- consulte regularmente o dentista;

- o uso de enxaguantes bucais é recomendado;

- tenha uma dieta balanceada e evite o jejum prolongado, alimentando-se de 3/3 horas;

- beba pelo menos dois litros de água por dia;

- controle o estresse pois ele diminui a produção de saliva e contribui para a multiplicação de bactérias que se assestam na língua;

- evite o excesso de comidas gordurosas, cigarros, café, frituras;

- Mastigue bem os alimentos e aumente o consumo de fibras. As fibras exigem mais da mastigação e aumentam a produção salivar.


O Tratamento da halitose além de passar pela avaliação odontológica inclui a avaliação médica especializada.
É fundamental a exclusão de doenças sistêmicas orgânicas para o sucesso do tratamento. Em casos específicos, o uso de antibióticos e probióticos  fazem parte da terapêutica. Exames como a endoscopia digestiva alta e a tomografia de seios da face são importantes para se estabelecer o diagnóstico diferencial entre as diversas doenças causadoras de halitose. Procure sempre a orientação médica.

2 comentários:

  1. Mais informações sobre Mau Hálito , visite o Site da Associação Brasileira de Halitose - ABHA - www.abha.org.br

    Obrigado

    Att.

    Marcos Moura

    Presidente da ABHA

    ResponderExcluir
  2. Uma informação interessante e útil da mau halito e tratamento. Embora seja sempre aconselhável visitar um especialista para nos ajudar com o melhor tratamento para eliminar halitose.

    ResponderExcluir

Esta matéria foi esclarecedora e informativa? Deixe sua opinião!