Translate

sábado, 3 de abril de 2010

Constipação Intestinal: Acerte os ponteiros deste relógio!

O que é Constipação Intestinal e quais são as suas causas?


A constipação intestinal ou "prisão de ventre" não é propriamente uma enfermidade, mas sim um sintoma muito frequente, que necessita de adequada investigação diagnóstica e tratamento. É a segunda queixa mais comum no consultório dos gastroenterologistas.

Caracteriza-se basicamente pela diminuição da frequência das evacuações ( menos que três vezes na semana ) acompanhada de fezes endurecidas ou ressecadas, dificuldade e dor evacuatória, desconforto e distensão abdominal.

Dentre as causas mais frequentes podemos citar o baixo consumo de alimentos ricos em fibras e a baixa ingestão de líquidos. Além delas, temos o sedentarismo, a idade avançada, a gravidez, a obesidade e o uso de determinados medicamentos ( diuréticos, analgésicos, calmantes, anorexígenos, antiácidos entre outros). Vale ressaltar que o uso abusivo e prolongado de laxantes lesa a mucosa intestinal contribuindo também para o mal funcionamento do intestino e constipação.

A constipação intestinal pode ser decorrente ainda de doenças orgânicas ( diabetes mellitus, hipotireoidismo, doenças neurológicas, depressão, hérnias abdominais, tumores gastrointestinais ) ou de distúrbios funcionais inerentes ao intestino ( síndrome do intestino irritável, disfunção do assoalho pélvico entre outras ).



Quando isto é caracterizado como grave?

A constipação intestinal é caracterizada como grave quando não apresenta resposta aos diversos tipos de tratamentos instituídos ( refratariedade ao tratamento ) levando até mesmo a formação de fecalomas ( massa de fezes grandes, duras e imóveis no intestino ) que exigem lavagens intestinais ou cirurgias. Outro caso grave é quando a constipação de início recente vem acompanhada de sinais de alerta: mudança do calibre das fezes, emagrecimento e presença de muco e/ou sangue nas fezes. Tais evidências nos levam a suspeitar de câncer colorretal.



As mulheres sofrem mais de constipação intestinal? Por quê?

A constipação ocorre mais frequentemente acima dos 40 anos e a prevalência é três vezes maior na mulher do que no homem.
Isto ocorre devido a fatores hormonais e também culturais.
Elas possuem a digestão e o trânsito intestinal naturalmente mais lentos, por questões hormonais. Mas o principal motivo para a diferença é cultural. Como as mulheres são educadas desde cedo a não evacuar e nem soltar gases em locais "inapropriados", muitas negam o reflexo da evacuação. Desta maneira o bolo fecal retorna à ampola retal, perde mais água, resseca, endurece e fica mais difícil de ser eliminado.Se a pessoa deixa de evacuar quando o corpo pede, a vontade passa e as fezes ficam mais tempo do que deveriam no intestino grosso. E pior: o esforço evacuatório ao longo dos anos poderá levar à incontinência fecal na velhice.



Quais as consequências da constipação intestinal em nosso organismo?

Cólicas e distensão abdominal, evacuações dolorosas, fissuras anais, doença hemorroidária, diverticulose, alterações da pele, alterações de humor, perda da qualidade vida. A constipação intestinal também está relacionada com o aumento da possibilidade de se desenvolver câncer de cólon, em virtude da lentidão do trânsito intestinal e do consequente aumento da formação e contato de substâncias cancerígenas encontradas nas fezes com a parede do intestino grosso, além da alteração da flora intestinal. Podemos inferir portanto, que a constipação intestinal traz um importante impacto orgânico e psicossocial ao indivíduo afetado.



Como prevenir a constipação? Quais alimentos devem se priorizados e qual é a melhor forma para consumí-los?

A prevenção da constipação intestinal implica em mudanças nos hábitos de vida, passando por medidas dietéticas e comportamentais .

É recomendável uma dieta rica em fibras ( 20 a 35 g/dia ), a ingestão abundante de líquidos ( 1,5 a 2 litros/dia ), uma atividade física regular e o respeito ao reflexo evacuatório: ir ao banheiro sempre que tiver vontade.

Beber muito líquido ( água, sucos naturais, chás ) é fundamental. A água hidrata as fezes e facilita a evacuação.

Deve-se fazer refeições regulares ( café -da-manhã, almoço e jantar ) e alimentar-se de 3 em 3 horas, comer devagar e mastigar bem os alimentos .

Evitar a ingestão excessiva de alimentos constipantes , tais como massas, farináceos refinados, bolos, batata, chocolate, chá preto e mate.

Evitar o uso abusivo de laxantes pois muitos deles mesmo sendo de venda livre e a base de plantas, podem causar efeito irritativo no intestino se usados a longo prazo, sem contudo regular a sua função. Além disso, podem mascarar um problema mais sério.Utilize medicamentos apenas com orientação médica.

As fibras estão presentes na maioria dos alimentos não industrializados, como frutas, verduras, legumes, cereais e no pão integral.

Os principais alimentos que contem fibras são: vegetais ( legumes, verduras, raízes ) , frutas ( frescas e secas ), leguminosas ( feijão, lentilha, ervilha, grão-de-bico, soja, fava ) cereais integrais ( aveia, granola, farelo de trigo ), oleaginosas ( noz, avelã, amêndoa, castanha ) e gergelim.

Uma alimentação rica em fibras pode prevenir uma série de doenças, como constipação intestinal, hemorróidas, colesterol elevado, doenças cardíacas e o câncer colorretal.São alimentos com alto teor de vitaminas e sais minerais além de serem nutritivos e bem pouco calóricos.Mas atenção: o consumo excessivo de fibras também pode ser prejudicial à saúde.

Prefira por exemplo pão feito com cereais integrais, arroz integral, frutas e verduras cruas . Frutas preferencialmente com casca . O cozimento de verduras e frutas reduz a quantidade de fibras e vitaminas .


Para quem já apresenta o quadro, como é o tratamento?

Reeducar o intestino depois de anos travando a evacuação requer tempo e dedicação.

O tratamento da constipação intestinal envolve medidas dietéticas, mudanças do hábito de vida e terapia específicas com medicamentos que atuem na causa do quadro, quando esta estiver indentificada. Atualmente estudos mostram que os alimentos probióticos, que contém microrganismos vivos adicionados à fórmula, melhoram o trânsito intestinal e estão sendo largamente empregados no tratamento desta condição.



O intestino preso gera alguma consequência estética ou emocional?

Sim. Alterações de pele como a acne são comuns e a distensão abdominal está muitas vezes associada a uma percepção corporal desagradável e a dificuldade de uso do vestuário habitual. Distúrbios de humor, ansiedade e depressão são frequente nestes pacientes. Não é à toa que o termo "enfezado" remete a um intestino repleto de fezes.

Dra. Terry R. de Medeiros - Entrevista concedida à Revista Mais Sáude, Novembro de 2009.

5 comentários:

  1. Dra. Terry,
    Agradeço, sensibilizado, pelo email enviado.
    Procurarei seguir as orientações supra mencionadas.
    Desejo a ti uma ótima semana!
    Beijos,
    Do seu paciente,
    Edu.

    ResponderExcluir
  2. Constipação Intestinal, sempre quiz saber sobre o assunto, ouvia falar mas sem coragem de perguntar do que se tratava.Parabéns pela matéria Dra.
    Marisa-SP

    ResponderExcluir
  3. parabens mesmo ,uma meteria exelente.
    muito mais sucesso para vc doutora terry. sou futura estudante de medicina mais serei pneumologista amo de paixão.

    ResponderExcluir
  4. Querida futura colega,

    Se é isto que realmente deseja, vá em frente, estude bastante e persevere em seu sonho.
    Medicina é vocação.

    Abraços,
    Sucesso em seu caminho.

    ResponderExcluir
  5. Este material me ajudou muito. Li muitas besteira desde que meu intestino pode explodir a eu posso morrer intoxicada, e juro que senti medo. Depois te acesso as informaões corretas, vou procurar um medico e fazer uma reeducação alimentar. Obrigada doutora.

    ResponderExcluir

Esta matéria foi esclarecedora e informativa? Deixe sua opinião!