Translate

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Síndrome do Intestino Irritável - Importante impacto na qualidade de vida

A Síndrome do intestino irritável (SII) é uma das afecções mais comuns do aparelho digestivo nos países ocidentais, caracterizando-se por dor e desconforto abdominais recorrentes associados à alteração do hábito intestinal ( diarréia, constipação ou alternância), na ausência de qualquer anormalidade orgânica.
Os pacientes podem  ainda apresentar  outras queixas como  distensão abdominal, cólicas, flatulência, urgência para evacuar e sensação de evacuação incompleta.
A doença incide em qualquer faixa etária, mas atinge especialmente indivíduos entre 20 e 40 anos, sobretudo as mulheres. Embora esta disfunção tenha uma evolução totalmente benigna, pode levar a um prejuízo significativo na qualidade de vida, pois apresenta um curso crônico, com grandes variações em sua intensidade e, por vezes, superpõe seus sintomas aos de outros distúrbios funcionais do aparelho digestivo, como dispepsias, refluxo gastroesofágico e constipação ou diarréia de origem orgânica.

Quais as causas da SII?
Muito se avançou na última década sobre o conhecimento dos mecanismos envolvidos no desencadeamento e perpetuação dos sintomas desta síndrome, contudo sua fisiopatologia não está totalmente esclarecida.
Entre os mecanismos envolvidos, podemos citar:
  • hipersensibilidade visceral destes pacientes associada à desrregulação de neurotransmissores intestinais, particularmente a serotonina, e seus receptores. ( alteração da regulação do eixo cérebro-intestinal levando a um aumento da sensibilidade intestinal aos estímulos dolorosos).
  • Fatores genéticos
  • Fatores psicossociais ( estresse emocional, ansiedade )
  • Alterações intestinais pós-infecciosas ou inflamatórias (gastroenterocolites)
  • Fatores alimentares (dieta fermentativa)
  • Alterações intestinais motoras ( resposta exagerada e inadequada dos movimentos intestinais aos estímulos alimentares ou emocionais)


Afecções frequentemente presentes nos pacientes portadores de SII:
Doença do refluxo gastroesofágico, afecções genitourinárias, fibromialgia, cefaléia tensional, síndrome da fadiga crônica (SFC), dor temporomandibular (ATM) e transtornos psicológicos.

Ainda que somente uma pequena parcela dos pacientes procure um gastroenterologista ( estima-se apenas 20% destes pacientes), a doença possui  uma importante repercussão na saúde pública, pois é responsável por perdas expressivas de horas de trabalho e por um decréscimo da qualidade de vida destas pessoas.

Como a SII é diagnosticada?
O diagnóstico baseia-se em dados clínicos, a partir de critérios estabelecidos por especialistas e resultantes de avaliações de estudos populacionais, chamados de critérios de ROMA III.
Os exames bioquímicos de sangue, exame de fezes, estudos de imagem ou endoscópico são importantes mas não imprescindíveis ao diagnóstico da doença, uma vez que os critérios de Roma baseiam-se fundamentalmente no quadro clínico: " presença de dor ou desconforto abdominal, geralmente aliviados pela evacuação, de início no mínimo há 6 meses, contínuos nos últimos 3 meses, associados a correlação do aspecto das fezes e sensibilidade evacuatória".
Lembro que na SII, por ser uma doença funcional, ou seja , sem alterações estruturais anatômicas , os exames subsidiários apresentam-se normais.
É importante lembrar que a ausência dos sintomas de alarme para câncer colorretal ( sangramento intestinal, perda de peso, febre, anemia ou massa abdominal palpável ) deve ser pesquisada e confirmada.

Qual o tratamento da SII?
O controle dos sintomas da SII pode ser alcançado por medidas que incluem dietas específicas, manutenção do equilíbrio emocional ( psicoterapia ) e medicação apropriada. Vários tipos de medicamentos são usados para o tratamento da SII, entre eles os reguladores intestinais, os prócinéticos, os bloqueadores do canal de cálcio, os antidepressivos,os inibidores das prostaglandinas, entre outros.
A SII é uma doença crônica e benigna, não relacionada à incidência de neoplasias do aparelho digestivo.
O paciente, com o tratamento, costuma ficar longos períodos assintomático, porém está sujeito a crises agudas, principalmente relacionadas aos transtornos emocionais ou a ingestão de algum alimento a que seu aparelho digestivo tenha maior sensibilidade.
O tratamento também pode ser auxiliado por atividades que passem tranquilidade ao paciente, como a psicoterapia, técnicas de relaxamento, yoga, exercícios físicos, pintura, música,etc.

Como a dieta interfere na SII?
A ingestão de alimentos e o estresse psicológico são os principais fatores desencadeantes e perpetuadores da síndrome. Normalmente os sintomas ocorrem logo após as refeições e em média 35 a 66% das pessoas que apresentam a SII não toleram certos tipos de alimentos.
Para avaliar se isto acontece com você, observe se a ingestão de um determinado alimento provoca diarréia ou constipação; anote os alimentos ingeridos e o número de evacuações/sintomas durante a semana. Vale lembrar que nem todas as pessoas são afetadas da mesma maneira pelos mesmos alimentos.
Alguns exemplos de alimentos que costumam desencadear sintomas na SII: alimentos gordurosos, ricos em sorbitol ( adoçante), latícinios, condimentados, cafeína e bebidas alcóolicas.
No caso da lactose, 25% dos pacientes com a SII podem apresentar intolerância a esta substância, e portanto a dimuição do seu consumo pode evoluir com a melhora dos sintomas em alguns casos. Nos pacientes com constipação, deve-se estimular a dieta rica em fibras. Nos casos em que há distensão abdominal devido a gases intestinais, alimentos como feijão, lentilha, cenoura, uva-passa, damasco, brócolis, couve-flor e cebola devem ser evitados.


Procure sempre um especialista.


Leia Mais: Síndrome do Intestino Irritável - Evitando a crise. Acesse:

3 comentários:

  1. Doutora,parabéns pelo artigo claro e rápido.Gostei bastante.Rogério de Santo André-SP

    ResponderExcluir
  2. Doutora,parabéns.Gostaria muito que me respondesse se consigo afastamento do trabalho pois passo muito extess no trabalho e tenho uma carga de trabalho muito alta.Tenho a sii,tou sofrendo muito com os sintomas da doença.
    Obrigado!
    magno
    e-mail magnosilva649@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Quero comentar aqui o meu caso e a simples solução que encontrei.
    Eu durante 10 anos tive muitos problemas de intestino fiz 3 vezes Colonoscopia, passei por 5 médicos todos com
    diagnósticos diferentes, mandaram eu trocar a alimentação não comer chocolates, especiarias, gorduras, frutas,
    feijão, repolho, brócolis, leite, bebidas gaseficadas, álcool e principalmente alimentos com gluten.
    Como sempre mandou eu comer muitas fibras e muita água.
    Segui a risca todas as recomendações e nada adiantou.

    Meus Sintomas eram esses:
    - Estresse - acho que todos que tem problemas com intestino é estressado ou meio depressivo, no meu caso era assim.
    - Dor Abdominal Forte ou Cólicas
    - Gases
    - Diarréia ou Constipação - dependendo do que eu comia esse quadro se alternava, alguns dias dava diarréia outros prendia o intestino
    - Muco nas Fezes
    Era meio estranho pois tinha tempos que dava uma melhorada e tinha tempos que parece que esses sintomas se agravavam.
    Até que há 2 anos atrás eu comecei a pesquisar sobre probióticos e prebióticos e cheguei a conclusão que o melhor custo benefício como probiótico
    seria o Kefir de Leite e o melhor prebiótico seria a fécula de batata crua pois ela é um amido resistente puro e encontra em qualquer mercado.
    O amido resistente que no caso é a fécula de batata crua passa direto pelo aparelho digestivo sem ser digerido e vai parar no intestino intacto e esse amido resistente serve como alimentação para as bactérias boas do nosso intestino,
    essas bactérias boas você consome através do Kefir de Leite que é uma colônia de bactérias boas para a restauração e renovação da nossa flora intestinal.

    Comecei a consumir todos os dias 2 copos de Kefir de Leite misturado com 1 colher de sopa de fécula de batata crua, parece uma coisa muito simples não ?
    Por incrivel que pareça em 1 semana meu intestino já regularizou, em 2 semanas não tinha mais nenhum sintoma, continuei tomando e tomo até hoje todos os dias
    depois de 4 meses que eu estava tomando fui fazer uma nova colonoscopia e o médico se surpreendeu comparando com os antigos resultados, eu contei para ele o que estava tomando e ele
    confirmou que realmente tem muitas pessoas tendo ótimos resultados e benefícios com o Kefir de Leite mas como ele não têm autorização para receitar produtos naturais e só pode
    receitar remédios de laboratórios e de farmácias ele não receita de forma alguma, mas disse que era para eu continuar tomando que isso tinha me curado.
    Descrevi aqui exatamente o que o médico me falou.

    Então pessoal estou deixando aqui esse relato para quem interessar que pesquise sobre o Kefir de Leite, na internet e youtube tem muitas informações, vocês vão se surpreender.
    O único problema desse Kefir de Leite é que é difícil de encontrar, mas eu encontrei um site que vende pelo valor de R$24,90 já com o frete incluso e entregam em todo o Brasil.
    o site é esse:


    kefirdeleite.com


    O Kefir de Leite quando você compra vem os grãozinhos e com esses grãos você mesmo vai fazendo em casa pois ele vai reproduzindo e vai tomando todos os dias, você compra apenas uma vez e se bem cuidado dura anos e anos.
    Então não custa dar uma pesquisada pois o meu estado eu considerava grave e me incomodava demais, estou deixando esse post em agradecimento a esse abençoado Kefir de Leite que mudou a minha saúde.

    ResponderExcluir

Esta matéria foi esclarecedora e informativa? Deixe sua opinião!